Resenha #2: King Edgar Hotel — Onde medos e horrores se revelam.

Header_King Edgar Hotel

King Edgar Hotel é um projeto especial realizado pela Andross Editora e idealizado a partir de uma conversa do editor Edson Rossatto com o escritor e organizador de coletâneas Alfer Medeiros. Eles se perguntaram como os autores em formação que já publicavam nas coletâneas da editora poderiam ser desafiados a produzir histórias mais elaboradas. A escritora Lara Luft foi convidada a fazer parte do projeto como organizadora. O resultado foi o King Edgar Hotel, uma antologia para autores especialmente convidados. O lançamento foi realizado em maio de 2015 no evento Livros em Pauta.

Este foi o primeiro romance fix up da editora, cujo intuito é a valorização dos autores que já publicavam em coletâneas da mesma. O que significa esse termo?! Fix up são histórias independentes que se passam num mesmo cenário, num mesmo ambiente ou com personagens interligados ou frequentes.

Aqui vocês vão encontrar algumas informações sobre esta grande obra literária brasileira que ficou na 16ª posição no ranking das 50 melhores antologias e coletâneas de terror elaborada pelo site Biblioteca do Terror no ano de 2016.

Sinopse: Você se hospedaria em um antigo hotel onde a camareira não tem braços, o mensageiro não tem olhos e o recepcionista aparenta ter idades distintas dependendo da hora do dia? Você ousaria pernoitar em um lugar cujo regulamento interno é estranhamente diferente de tudo o que você já viu? Muitos mistérios rondam o King Edgar Hotel. Fique à vontade para visitar os 21 andares deste lugar, que é a expiação dos pecados para uns, o inferno para outros e uma lembrança macabra para todos os que por ele passaram.

▬ Capa:09. King Edgar Hotel

A capa foi criada por Rafael Victor, inspirada no famoso edifício Martinelli em São Paulo.

▬ Personagens Fixas:

▬ A história do Hotel:

O antigo Colégio Católico Santo Augusto, cuja fundação aconteceu em 1890, no centro de São Paulo viu acontecer uma misteriosa debandada no ano de 1937, e consequentemente foi obrigada a fechar as portas por falta de alunos.

Em 1941, o industrial norte-americano Edgar Koontz, considerado um rei dentro de seu segmento, comprou o imóvel por um preço muito abaixo do mercado, visto que a má fama originada nos eventos de 1937 havia afastado compradores potenciais, deixando o antigo colégio em estado de total abandono. Koontz optou por demolir o prédio, porém precisou se dedicar a outros empreendimentos no exterior e deixou as obras paradas por alguns anos.

Quando, em 1947, Edgar Koontz resolveu prosseguir com um ambicioso e improvável projeto de construção de um poço de petróleo no local, acabou por ser internado a pedido de sua esposa, Shelley Rice Koontz. A alegação apresentada foi de que o senhor Koontz não tinha domínio de suas faculdades mentais. Mais uma vez, o imóvel foi abandonado.

Edgar Koontz morreu de tuberculose em 1952. Howard, seu filho mais velho, decidiu utilizar o terreno herdado para colocar em prática um sonho: projetar e construir um hotel. Para viabilizar tal obra, convenceu o irmão Phillip e o amigo Alan Straub a se juntarem a ele na empreitada. Os filhos resolveram homenagear o pai nesse projeto, dando o nome do pai e a alcunha de “rei” ao empreendimento. Surgiu então o King Edgar Hotel.

▬ Regulamento de Hospedagem:

  • Não há horário de check-in e check-out. Os hóspedes não precisam fazer cadastro ao chegar, nem aguardar a checagem do quarto para deixar as dependências do hotel.
  • Os veículos devem ser estacionados na frente do hotel, e as chaves entregues na recepção. Garantimos a integridade dos automóveis, e estes somente serão retirados do estacionamento por terceiros caso o proprietário não possa fazê-lo.
  • Os hóspedes pagam somente uma diária, no momento da chegada, independentemente do tempo que permaneçam.
  • As chaves dos quartos vagos, com seus respectivos números, estão disponíveis no quadro ao lado do balcão da recepção, e podem ser escolhidas pelo hóspede. Essa escolha é importante, pois cada quarto possui decoração interna única, correspondente ao estilo do chaveiro, e não transferimos o hóspede de acomodações.
  • Somente há serviço de quarto para os hóspedes que o solicitarem.
  • Os quartos possuem isolamento acústico. Não há multa por dano de patrimônio do hotel
  • Caso precise de toalhas, roupa de cama ou sacos plásticos extras, basta solicitar na recepção.

Acesse as páginas do King Edgar Hotel no Facebook e no Skoob para saber mais detalhes e coloque este livro na sua lista de próximas leituras pois vale muito a pena. Boa leitura!

 

Fontes consultadas: 

http://pt.fantas.wikia.com/wiki/King_Edgar_Hotel

http://projetoespecialandross.com.br/king-edgar-palace/


Você sabia que o Blog Escritopias está no Facebook, Instagram e Twitter? Acompanhe tudo o que rola por aqui em sua rede social favorita! 💜
Anúncios

3 comentários sobre “Resenha #2: King Edgar Hotel — Onde medos e horrores se revelam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s